Pirataria de implantes

Mais ou menos um terço dos implantes dentários fabricados anualmente no Brasil, são frutos de pirataria.

Saiba que, essas peças piratas podem ocasionar diversos problemas, como a simples queda de um dente artificial e até mesmo graves infecções bucais.

O principal atrativo para compras de peças piratas é o preço, que, em alguns casos, chega a custar 60% menos em relação ao valor cobrado pelos fabricantes oficiais. Ainda, é importante ressaltar que, grande parte das vendas ilegais são realizadas por meio da internet, incluindo redes sociais.

Saiba que, os produtos verdadeiros, possuem registro na Anvisa e, obrigatoriamente, passam por uma série de testes (resistência, fadiga, esterilidade, etc). Por se tratar de um material que é colocado dentro da estrutura óssea, ele é desenvolvido para interagir com esse osso de forma a não apresentar rejeição.

Segundo a Abimo (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos), as peças mais pirateadas são os componentes que se fixam nos pinos. Normalmente, os falsos componentes, são fabricados com tamanhos diferentes, sendo o encaixe mais largo, o que os deixam frouxos e, consequentemente, com risco de haver proliferação de bactérias nesse espaço.

Portanto, caso necessite de algum implante, procure saber com o profissional, qual será utilizado e, se possível, verifique a sua procedência, assim, você evita de colocar em risco a sua saúde bucal, afinal, muitas vezes, o barato sai caro.

Recentemente ocorreu um caso de pirataria em um congresso, onde foram apreendidos diversos materiais odontológicos piratas.

Na reportagem do vídeo seguinte, confira todos os detalhes desse acontecimento e, ainda, veja as orientações dadas pelo especialista Dr. Mário Perussi para que os pacientes possam evitar esses tipos de problemas com produtos odontológicos.